A reabilitação neuropsicológica é um dos componentes do tratamento de indivíduos com lesões cerebrais e/ou distúrbios neurológicos e neuropsiquiátricos. Os programas de reabilitação podem se beneficiar do emprego de procedimentos comportamentais, principalmente porque a ciência da análise do comportamento dispõe de ferramentas valiosas para a modificação do comportamento e o auxílio nos processos de aprendizagem.

Trata-se de um processo que busca capacitar pacientes com prejuízos cognitivos, oferecendo-lhes um maior ajustamento biopsicossocial, proporcionando, ao maior nível possível, sua capacidade de autonomia e independência dos demais. Esse processo também implica em orientar os familiares e/ou cuidador para que esses tenham maior habilidade em lidar com as consequências físicas e psicólogas causados por lesão, doença, ou pelas consequências decorrentes do abuso de drogas.

A reabilitação neuropsicológica pode ser indicada sempre que um indivíduo apresenta déficits no funcionamento de alguma função cognitiva (atenção, memória, linguagem, percepção, funções executivas). A partir da queixa do paciente, uma avaliação neuropsicológica é fundamental para detectar tanto o nível do prejuízo cognitivo do paciente, como suas habilidades preservadas; essas últimas serão o suporte principal para sua reabilitação. É a partir das informações obtidas em uma avaliação neuropsicológica bem feita que o delineamento de um programa de reabilitação torna-se possível.

A estratégia do programa de reabilitação é definida através das peculiaridades de cada caso, definindo estratégias e objetivos específicos para cada paciente. O processo de reabilitação neuropsicológica deve contemplar a interação entre a personalidade, o estilo de vida e a cognição do paciente. Dessa forma, é possível buscar alternativas mais eficientes voltadas para a recuperação de suas funções. Exercícios específicos, determinados pelo profissional a partir das habilidades do paciente, leva à plasticidade neuronal, ou seja, a capacidade do cérebro de compensar prejuízos cognitivos ou motores através de células nervosas saudáveis. Por sua vez, esse caráter compensatório da plasticidade neuronal favorece a reabilitação neuropsicológica, pois o paciente aprende a compensar seus déficits a partir de suas habilidades preservadas, e assim aumenta sua capacidade de autonomia e recuperação. A reabilitação neuropsicológica possui um caráter individual, voltada para as necessidades e habilidades de cada indivíduo.

O sucesso da reabilitação neuropsicológica, como todo processo terapêutico, depende da adesão do paciente ao mesmo, através da compreensão do potencial de sua terapia, de sua motivação para o tratamento e de seus familiares. A reabilitação neuropsicológica proporciona a recuperação dentro do nível máximo de potencial que o paciente apresenta.